O uso do laser vaginal após tratamento de câncer de mama

Dra. Sílvia Joly Mattos

O Outubro Rosa nos inspira a falar sobre o câncer de mama e trazer o máximo de informações possíveis para alertar as mulheres sobre os sintomas dessa doença e os cuidados que elas devem tomar para a prevenção. Mas também é importante informar sobre as novas tecnologias da Medicina que podem contribuir para a qualidade de vida das pacientes que superaram a doença.

Uma dessas tecnologias que tenho utilizado e pela qual muitas pacientes têm me procurado é o laser vaginal de CO2 fracionado. Como já escrevi anteriormente, após alguns tipos de tratamentos quimioterápicos, a mulher pode sofrer de menopausa precoce, reduzindo a produção do hormônio estrógeno, que leva a várias consequências, sendo uma delas a atrofia vaginal.

Como a mulher que passou pelo tratamento de câncer de mama não pode utilizar cremes ou medicamentos à base de hormônio, o laser passa a ser uma importante opção para a atrofia vaginal. E o tratamento com o laser de CO2 fracionado contribui para a melhora desse quadro porque ele estimula a produção de colágeno local devido a seus efeitos térmicos e ablativos, aumentando assim a firmeza e a elasticidade dos tecidos na região genital e a lubrificação.

Os resultados após o tratamento com o laser vaginal CO2 são vários, entre eles estão, além da melhora do ressecamento vaginal, o alívio da dor e do ardor durante a relação sexual; o aumento da elasticidade da parede; a normalização do PH vaginal com melhora das secreções; a diminuição das cistites de repetição; e a melhora de alguns casos de incontinência urinária e de disfunção sexual.

Recentemente uma matéria publicada pela Revista da Sociedade de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP) trouxe uma entrevista com o Prof. Dr. Nilson Roberto de Melo, da Universidade de São Paulo – USP, enfatizando os benefícios do tratamento com o laser, o que mostra que estamos no caminho certo.

Dra. Sílvia Joly Mattos, de Campinas/SP, é médica especialista em Ginecologia e Obstetrícia, Reprodução Humana e Vídeo-Histeroscopia.

Share:

Comments are closed.