Ginecologia e ObstetríciaReprodução Humana

Teste ERA

Dra. Silvia Joly Mattos

Como já escrevi no meu artigo sobre “Falha de Implantação embrionária”, para que uma gestação ocorra, independentemente se de forma natural ou por reprodução assistida, é necessário que o embrião apresente boa capacidade de implantação e que o endométrio também esteja receptivo a ele.

Sendo assim, quando casais fazem a FIV e não engravidam, mesmo tendo um embrião de qualidade e tendo excluído todas as possíveis causas de falha de implantação embrionária, pode ser que o problema esteja no que chamamos de deslocamento da janela de implantação.

Em um processo normal, o óvulo é fertilizado pelo espermatozoide nas trompas, o embrião que foi gerado é transportado para o útero e chega para se implantar no endométrio. Todas essas etapas já ocorreram em cinco dias, período em que o ovário produz a progesterona que irá por sua vez tornar o endométrio receptivo ao embrião para que o mesmo consiga se implantar entre 24 e 36h (janela de implantação).

No entanto, para pacientes com deslocamento da janela de implantação, o ciclo apresenta atividade hormonal diferente da convencional, ou seja, o embrião não consegue se implantar aproveitando a janela.

Com o avanço da medicina foi desenvolvido um teste de avaliação endometrial que tem como objetivo identificar essa janela de implantação. O teste ERA (Endometrial Receptivity Array) avalia a receptividade endometrial do ponto de vista molecular, nos permitindo diagnosticar se o endométrio é receptivo ou não analisando a expressão de um grupo de genes responsáveis por isso.

Em caso de resultado receptivo, significa que a janela de implantação está de acordo com o dia que foi realizado a biópsia, podendo ser o embrião implantado durante este período.

No entanto, se o resultado for não receptivo, significa que a janela de implantação é deslocada, podendo ser o endométrio pré ou pós-receptivo. Para endométrio pré-receptivo, indica que será necessário o uso de progesterona por mais dias para que a janela de implantação ocorra. Mas, se o endométrio é pós-receptivo, a transferência do embrião deve ser realizada com menos dias de progesterona.

Portanto, o teste ERA permite que se tente uma melhor programação do dia da transferência embrionária, aumentando assim as chances de sucesso da próxima gestação.

Dra. Silvia Joly Mattos é médica especialista em Ginecologia e Obstetrícia formada pela Unicamp, com Mestrado na área de Infertilidade pela Unicamp e especialista em Reprodução Assistida com Título reconhecido pela Febrasgo.