Reprodução Assistida

Fertilização In Vitro

Dra. Sílvia Joly Mattos

Muitas vezes, a Fertilização In Vitro (FIV) é a única opção para os casais com problemas de infertilidade alcançarem a tão sonhada gravidez. Na FIV, a fecundação do óvulo com o espermatozoide é realizada em laboratório, onde é observado o desenvolvimento embrionário durante alguns dias, para depois se programar a transferência para o útero da mãe.

A primeira etapa do processo de FIV é a estimulação ovariana (ou indução da ovulação), que serve para obter vários óvulos dentro de um mesmo ovário, aumentando assim as chances de o tratamento ser bem sucedido. Isso é feito porque existe a possibilidade de alguns óvulos não serem viáveis ou, mesmo depois de fecundados, virem a não se desenvolver.

Depois dessa fase, realizamos o procedimento da punção dos óvulos, que só deve ser feito após comprovarmos por meio de uma ultrassonografia que os folículos atingiram a dimensão adequada e que há um número adequado de folículos disponíveis.

Após a obtenção dos óvulos retirados na punção folicular e da preparação dos espermatozoides, que são obtidos a partir de uma amostra de sêmen coletada no mesmo dia, a terceira etapa da Fertilização In Vitro é a fecundação dos óvulos em laboratório. A seguir, ocorre o período de cultivo embrionário.

Durante esta fase, o desenvolvimento do embrião deve ser observado para ver se está dentro da normalidade. Alguns embriões podem não se desenvolver mais devido a falhas espontâneas que acontecem naturalmente no processo de divisão celular. Também é possível, em alguns casos durante o desenvolvimento embrionário, ser feita uma biópsia de algumas células para avaliação genética.

O último procedimento da FIV, que pode ocorrer em seguida ou não, é a transferência embrionária para o útero da paciente, onde são implantados inicialmente os melhores embriões. Somente entre 1 ou 2 semanas após, é realizado o teste de gravidez por análise sanguínea.

Mas há um dado muito importante a se destacar: a idade da mulher é um fator extremamente relacionado ao resultado da FIV! A taxa de sucesso é muito maior se compararmos um tratamento aos 35 anos com outro após os 40. Sabemos que a idade da mulher é um dos problemas mais difíceis de ser resolvido durante o tratamento, por isso a mulher não deve adiar muito a decisão de ser mãe.

Dra. Sílvia Joly Mattos, de Campinas/SP, é médica especialista em Ginecologia e Obstetrícia, Reprodução Humana e Vídeo-Histeroscopia.